Acordes Relativos e Antirrelativos

Acordes Relativos e Antirrelativos

Quero tratar de um assunto que frequentemente se apresenta em sala de aula durante os estudos de harmonia: o conceito de acordes relativos e antirrelativos, com sua ideia do parentesco funcional entre acordes que estão ligados entre si por intervalos de terça.

Encontramos isso em várias publicações exposto dessa forma:

A letra “r” indica o acorde relativo, enquanto a letra “a” indica o acorde chamado antirrelativo.

Segundo essa lógica, a Tônica (I) tem seu acorde relativo no VI grau (Tr) e seu antirrelativo no III grau (Ta).

A Subdominante tem seu acorde relativo no II grau (Sr), e seu antirrelativo no VI (Sr – esse último acorde teria uma função dupla, tanto de tônica assim como de subdominante).

A Dominante tem seu acorde relativo no III grau (Dr) e seu antirrelativo no VII (Da). Sendo assim, o acorde sobre o III grau teria uma função dupla, de tônica e de dominante. Logo podemos observar certa dificuldade em aceitarmos o acorde sobre o III grau como tendo função de dominante).

Segundo essa visão, os três acordes principais (T, S ou D) estenderiam a sua função para seus acordes relativos e antirrelativos.

É importante fazermos algumas considerações a respeito:

Hugo Riemann

Hans-Joachim Köellreuter

Mas então, isso quer dizer que “na prática a teoria é outra”?

Poderíamos ser levados a concluir que existe uma divergência entre a teoria e a prática, isto é, entre a visão teórica apresentada em alguns manuais de harmonia e a realidade, constituída pela prática dos compositores de música popular, tanto no âmbito da MPB como do Jazz, por exemplo.

Verdade seja dita, a questão é que a teoria riemanniana, ou as mais recentes teorias neo-riemannianas, que se desenvolveram a partir da primeira, têm muito pouco a ver com a ideia de acordes relativos e antirrelativos como estamos acostumados a vê-los, tratados de forma pouco aprofundada.

Para encerrarmos esse assunto, fazemos aqui apenas uma consideração: as noções de “Parallelklänge” (paralelo) e “Leittonwechselklänge” não se limitam ao âmbito diatônico, abrindo relações com acordes ligados, entre si, por afinidades de terça. Por exemplo, o acorde de Dó maior, poderia estar ligado, por afinidade de terças, a um número maior de acordes:

Curso gratuito de música online

Esses conceitos são oriundos da teorização de Hugo Riemann (1849-1919), teórico e compositor alemão que desenvolveu a teorização das funções harmônicas – iniciada por Jean-Pilippe Rameau – criando um sistema de análise musical muito detalhado que pudesse dar conta de decodificar a sofisticação harmônica da música culta do final do século XIX.

As teorias riemannianas foram introduzidas no Brasil no começo do século XX. O maior responsável foi Hans-Joachim Köellreuter (1915-2005), compositor e professor de origem alemã que se estabeleceu no Rio de Janeiro em consequência da perseguição nazista.

Os termos originais utilizados por Hugo Riemann para definir os conceitos de relativo e antirrelativo eram: “Parallelklänge” (paralelo) e “Leittonwechselklänge” (que não poderia ser pensado como anti-paralelo, mas sim, talvez, como “acorde de contraste” – em inglês “leading-tone contrast chords”).

Mas a questão importante não diz respeito à terminologia (paralelo/relativo ou contra-acorde/antirrelativo). É preciso observar que a concepção de Riemann era algo bem mais complexo – e já por isso diferente – do que ficou no uso comum. Não cabe aqui nos estendermos sobre a teoria riemanniana, a qual, sozinha, pediria meses de estudos profundos. Vamos porém observar um detalhe simples, com base no que já estudamos: segundo a lógica do parentesco funcional dos acordes relativos e antirrelativos, o V grau poderia estar representado ou substituido pelo III e pelo VII graus, o que, de fato, excluímos em nossos estudos anteriores.

Turi Collura é pianista, compositor, músico profissional. Atua como professor em Cursos de Pós-Graduação, em Conservatórios e Festivais de música pelo Brasil e no exterior.Formado na Itália em Disciplinas da Música (Bolonha) e na Escola de Jazz (Milão), é Mestre pela UFES, e Pós-graduado pela mesma Instituição.Turi é Coordenador Pedagógico do Terra da Música e Professor de alguns cursos online. É autor de métodos em livros e DVD (Improvisação, Piano Bossa Nova, Rítmica e Levadas Brasileiras para Piano), alguns dos quais publicados pela Editora Irmãos Vitale e com tradução em inglês.Ativo na cena musical como solista, músico de estúdio e arranjador, tem participado da gravação/produção de diversos discos. Em 2012, seu CD autoral “Interferências” ganhou uma versão japonesa. Seu segundo CD faz uma releitura moderna de algumas composições do sambista Noel Rosa.

Deixe uma resposta