Mulheres compositoras na música erudita

Mulheres compositoras na música erudita

O universo da música erudita, ao longo de sua história, sempre esteve repleto de mulheres compositoras. No entanto, ainda hoje essas compositoras são pouco conhecidas, e suas obras pouco divulgadas e interpretadas. Preparamos aqui uma seleção de algumas dessas mulheres, desde a Idade Média, passando pelos períodos Barroco e Romântico, até chegar ao Contemporâneo. Boa apreciação!

1. Hildegard von Bingen (1098-1179) – obras variadas

Sábia de seu tempo, a monja beneditina Hildegard von Bingen foi, além de muitas outras coisas, compositora. Sua obra musical encaixa-se, de um modo geral, no canto gregoriano.

2. Francesca Caccini (1587-1640) – O Che Nuovo Stupor

Cantora, alaudista, poeta e professora, Francesca Caccini é considerada a primeira mulher a escrever uma ópera, intitulada La Liberazione di Ruggiero.

3. Barbara Strozzi (1619-1677) – Sino Alla Morte

Barbara Strozzi é considerada a mais prolífica compositora – mesmo levando-se em consideração os compositores – de música vocal secular da Veneza de meados do século XVII.

4. Louise Farrenc (1804-1875) – Noneto em Mi Bemol maior, Op. 38

A francesa Louise Farrenc, apesar de todo seu talento, durante muito tempo recebeu uma quantia menor por seu trabalho, em comparação a seus colegas compositores homens. Só após a calorosa estreia de seu noneto para madeiras e cordas passou a receber um pagamento equiparável ao dos homens.

5. Fanny Mendelssohn (1805-1847) – Piano Trio, Op. 11

Irmã do compositor Félix Mendelssohn, Fanny Mendelssohn compôs mais de 460 obras, muitas delas publicadas sob o nome de seu irmão.

6. Clara Schumann (1819-1896) – Concerto para Piano em Lá menor, Op. 7

Esposa do compositor Robert Schumann, Clara Schumann destacou-se como a mais distinta pianista de sua época. Ensinada pelo pai, ainda muito cedo começou a compor, escrevendo seu Concerto para Piano aos 14 anos. Mais tarde, porém, perdeu a confiança em si mesma como compositora. Ela diria: “Eu uma vez acreditei possuir um talento criativo, mas abandonei a ideia. Uma mulher não deve desejar compor – nunca houve ainda nenhuma capaz de fazê-lo. Deveria eu esperar ser a única?”

7. Cécile Chaminade (1857-1944) – Outono, Op. 35, nº2

Compositora desde a infância, chegou a tocar algumas de suas peças para Georges Bizet quando tinha apenas oito anos. Ao longo da carreira, escreveu sobretudo peças para piano. É bastante célebre também o seu Concertino para Flauta.

8. Rebecca Clarke (1886-1979) – Sonata para Viola e Piano

Conhecida principalmente pela música de câmara que escreveu para viola, a obra de Rebecca Clarke foi fortemente influenciada por algumas tendências musicais do início do século XX, como o impressionismo.

9. Lili Boulanger (1893-1918) – D’Un Soir Triste

O talento de Lili Boulanger era já evidente aos dois anos de idade, quando o compositor Gabriel Fauré percebeu que ela tinha uma entonação perfeita. Aos 19 anos, ganhou o prêmio Prix de Rome, pela obra Faust et Hélène, tornando-se a primeira mulher a receber a premiação.

10. Jocy de Oliveira (1936) – Nherana

A brasileira Jocy de Oliveira é pioneira no uso das artes multimídia no país. Compôs óperas, música para orquestra e para grupos de câmara. Ao longo da vida, manteve contato por cartas ou pessoalmente com compositores como Igor Stravinsky, John Cage e Karlheinz Stockhausen.

Editor chefe do Terra da Música, Elvio é formando em jornalismo. Estudou piano e flauta na Faculdade de Música do ES, dedicando-se ao piano erudito e popular. Sua vida se resume em encontrar tempo para se dedicar a todas as suas paixões: música, cinema, idiomas, literatura, jornalismo, psicanálise, e muitas outras.

Deixe uma resposta