Como começou a educação musical?

Como começou a educação musical?

Qual o valor da Educação Musical? Desde quando se fez presente na educação das crianças ou é objeto de estudo de pedagogos musicais? Neste artigo, quero apresentar um panorama inicial das transformações ao longo dos séculos no campo da Educação Musical.

“A educação musical é a suprema, visto que, mais que qualquer outra coisa, o ritmo e a harmonia conseguem penetrar os mais secretos recantos da alma.”

Platão

Tanto o valor da música, quanto da educação musical, sofreram modificações a cada período da história. Antes do século IX não se pode falar em “educação musical” no sentido contemporâneo do termo.

O mundo medieval era cristão e a música tinha fins litúrgicos. O controle do aprendizado musical era atribuído à Igreja.

É somente a partir do século XVI que a criança é reconhecida como um ser que necessita de cuidados especiais, de educação e lazer.

Educação musical - coro de igreja

Neste contexto, começaram a ser criadas na Itália, escolas de formação básica em música, denominadas Conservatórios ou Ospedali (hospital), as quais eram, na verdade, orfanatos. Elas também formavam músicos para as igrejas, mas embora condicionadas ao repertório, se adaptaram à época, com coros maiores e reconheciam sua responsabilidade na formação de seres humanos.

Educação musical no Brasil

Sede do conservatório Dramático e Musical de São Paulo – 1906

Foi no século XVIII que apareceram as primeiras sistematizações de ensino, os primeiros métodos educacionais e as primeiras tentativas de incorporar o ensino da música na educação. Embora vários teóricos já tivessem se ocupado da questão pedagógica, Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), grande inspirador da psicologia moderna, foi o primeiro pensador da educação a apresentar um esquema pedagógico especialmente voltado para a educação musical.

Pouco após Rousseau, surgiram outros pensadores, como Juan Enrique Pestalozzi (1746-1827), Friedrich Herbart (1776-1841) e Friedrich Froebel (1782-1852), os quais também abriram espaço para a música na escola. Em suas propostas educacionais, a base deveria ser de cunho afetivo, na qual a vivência e a experimentação deveriam vir antes dos princípios e teorias.

Na virada do século XVIII para o XIX, surgiram as primeiras escolas particulares de ensino musical com caráter profissionalizante.

A primeira delas é o Conservatório de Paris (1794) e a segunda é The Royal Academy of Music, na Inglaterra, em 1822.

Este modelo de escola se espalhou por vários países, tendo chegado ao Brasil em 1845, com a criação do Conservatório Brasileiro de Música, na cidade do Rio de Janeiro, e do Conservatório Dramático e Musical, em 1906, na cidade de São Paulo.

No século XX surgem os chamados “métodos ativos”, os quais são baseados em metodologias ou propostas que priorizam a vivência musical anterior à aquisição de conceitos e técnicas instrumentais. Tais propostas buscaram a integração da experiência musical bem como sua democratização. Nos países onde estes métodos se desenvolveram, a música passou a fazer parte do programa curricular da escola pública, o que não aconteceu no nosso país.

Educação músical - programa do conservatório de música

E no Brasil, como surgiu a Educação Musical? Clique aqui para saber!

É paulista, formada em piano erudito e popular, licenciada em Educação Artística com Habilitação em Música, especialista em Educação Musical e em Musicoterapia. É professora de música na rede regular de ensino.

1 Comentário

Deixe uma resposta