Crônicas musicais e recortes de jornal

Crônicas musicais e recortes de jornal

A melancolia de um jornalista ao receber a notícia da morte de Dorival Caymmi numa manhã ensolarada de sábado; a descrição de uma animada pelada reunindo artistas e compositores no campo de futebol de Chico Buarque, no Recreio dos Bandeirantes; uma volta ao tempo em que a Rua da Lama, em Jardim da Penha, era povoada por punks, metaleiros, góticos, socialistas, tatuadores, gays, lésbicas e simpatizantes, motociclistas, bêbados e equilibristas de toda sorte; e uma singela homenagem a Marien Calixte, um dos maiores intelectuais do Espírito Santo no século XX.

Vai lá:

Crônicas musicais e recortes de jornal

Quando: dia 11 de novembro de 2015, 19 horas

Onde: Casa da Memória de Vila Velha (ES), na Rua Luciano das Neves, 14, Prainha, Centro.

O lançamento conta com o apoio cultural do Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha, Vila Fruti, ArtheriaBox, Anima Comunicação Integrada e Piano Produções.

Esses são alguns dos temas visitados por José Roberto Santos Neves nesta que é a sua quarta investida literária. A partir de uma seleção de 51 crônicas, artigos, resenhas, críticas e roteiros musicais, o autor apresenta um recorte de sua produção jornalística com foco na cobertura musical que desenvolveu durante duas décadas no jornal A Gazeta e na perspectiva do acesso à cultura como elemento transformador da sociedade.

No livro em questão, o leitor poderá desfrutar de escritos sobre ícones da MPB, Bossa Nova, jazz e rock’n’roll, conhecerá nomes expressivos da música do Espírito Santo, bem como a visão de José Roberto sobre temas que inspiram o seu universo criativo, incluindo a devoção à santa padroeira, os excessos dos humorísticos contemporâneos, o patrulhamento ideológico contra Monteiro Lobato, o papel da crítica no jornalismo atual, o rebaixamento do time do coração e a construção de políticas culturais com base no pensamento inovador de Gilberto Gil, para quem “o povo sabe o que quer, mas também quer o que não sabe”.

Crônicas musicais e recortes de jornal” é isso: uma defesa apaixonada do jornalismo e do ofício do jornalista, onde se percebe, nas entrelinhas, a busca incessante do autor pela musicalidade do texto, entre melodias, ritmos e harmonias, cantos e encantos, pausas e acentos, dinâmica e andamentos, lirismo e amor.

Sobre o autor:

Nascido em Vitória (ES), em 1971, José Roberto Santos Neves é formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), com pós-graduação em Gestão em Assessoria de Comunicação pela Faesa.

Trabalhou no jornal A Gazeta entre 1994 e 2013, como repórter, crítico musical e editor do Caderno Dois. É o criador da página Fanzine, que circulou entre 1995 e 2011 nesse mesmo diário, e do Caderno Pensar, espaço voltado para a reflexão cultural e difusão do conhecimento, que permanece em circulação.

É autor dos livros “Maysa” (2004), a primeira biografia da cantora Maysa; “A MPB de Conversa em Conversa” (2007), reunindo bastidores de 40 entrevistas com grandes nomes da música popular brasileira; e “Rockrise – A História de uma Geração que fez Barulho no Espírito Santo” (2012). Como baterista, gravou os CDs “Hidden Melody” (1994), da banda The Rain, e “Todo dia é dia de blues” (2003), da Big Bat Blues Band.

Em junho de 2014 foi eleito para a Cadeira nº 26 da Academia Espírito-Santense de Letras, antes ocupada pelo jornalista e escritor Marien Calixte. Nos últimos dois anos foi subsecretário de Cultura de Vila Velha. Atualmente exerce a função de subsecretário de Estado da Cultura.

Deixe uma resposta