Harmonizar ou Re-harmonizar: qual a diferença?

Harmonizar ou Re-harmonizar: qual a diferença?

Nesse artigo vamos falar sobre uma pergunta muito recorrente nos estudos de música:

“Qual é a diferença entre Harmonização e a Re-harmonização?”

No processo de harmonização seguimos, basicamente, a harmonia original, escolhendo eventuais tensões não mostradas na cifra original (às vezes as tensões estão escondidas na melodia, outras vezes acrescentamos as tensões ao nosso gosto).

Na harmonização, ainda, podemos enriquecer a harmonia original através de algum acorde novo ou de alguma variação dos acordes originais.

Harmonizar, pode significar escolher a densidade e o tipo da harmonia a ser utilizada, por exemplo usar uma harmonia baseada nas tríades, nas tétrades, fazer ou não uso de tensões.

Pode significar, também, escolher a disposição das vozes dos acordes (por intervalos de quartas, de quintas, policordes, etc).

No processo de re-harmonização criamos movimentos harmônicos novos, às vezes chegando a mudar, de maneira significativa, a harmonia original.

É claro que, muitas vezes, esses dois âmbitos não ficam rigorosamente distintos.

Por exemplo, enriquecer uma harmonia através de uma tonicização secundária (uma dominante secundária, uma cadência II-V secundária, um SubV7) é algo que transita entre os dois âmbitos, dependendo da frequência das tonicizações em relação à harmonia original, isto é, dependendo do impacto que as tonicizações têm sobre o resultado final.

Vamos fazer um exemplo que esclarece o que estamos dizendo. Pegamos a melodia inicial da música All the things you are fazendo um enriquecimento harmônico:

Harmonia original:

All the things you are - re-harmonization

 

Harmonização ou enriquecimento harmônico:

 

 

A seguir, vamos fazer um exemplo de re-harmonização, usando acordes de dominante:

 

No exemplo acima utilizamos a melodia dos primeiros cinco compassos interpretando-a como #9 do acorde. No exemplo a seguir vamos fazer uma re-harmonização por meio de tríades superiores sobre baixo. Essa segunda re-harmonização resulta ser mais “radical”:

rearmonização

 

Obviamente existem várias técnicas de harmonização e de re-harmonização. Isso é o que estudamos no Curso Online de Harmonia Aplicada à Música Popular. Clique no link para acessar uma aula gratuita.

 

Turi Collura é pianista, compositor, músico profissional. Atua como professor em Cursos de Pós-Graduação, em Conservatórios e Festivais de música pelo Brasil e no exterior.Formado na Itália em Disciplinas da Música (Bolonha) e na Escola de Jazz (Milão), é Mestre pela UFES, e Pós-graduado pela mesma Instituição.Turi é Coordenador Pedagógico do Terra da Música e Professor de alguns cursos online. É autor de métodos em livros e DVD (Improvisação, Piano Bossa Nova, Rítmica e Levadas Brasileiras para Piano), alguns dos quais publicados pela Editora Irmãos Vitale e com tradução em inglês.Ativo na cena musical como solista, músico de estúdio e arranjador, tem participado da gravação/produção de diversos discos. Em 2012, seu CD autoral “Interferências” ganhou uma versão japonesa. Seu segundo CD faz uma releitura moderna de algumas composições do sambista Noel Rosa.

1 Comentário

  • Mestre parabéns pelo artigo, muito boa a sua abordagem sobre o assunto, gostei muito dos exemplos colocados pois deixaram claros a sua explicação sobre Harmonizar ou Re-harmonizar! Obrigado por estar sempre compartilhando seu conhecimento!!

    Hilton Lemos

Deixe uma resposta