Aprendendo com os gigantes: análise da música “Here comes the sun” (The Beatles)

Aprendendo com os gigantes: análise da música “Here comes the sun” (The Beatles)

Neste artigo vamos fazer uma análise estrutural e harmônica de uma música muito famosa dos Beatles, composta por George Harrison e lançada no famoso disco “Abbey Road” em 1969: Here comes the sun. Segundo o próprio autor, a música foi composta numa ensolarada manhã de primavera, provavelmente de abril – após um longo inverno britânico – na casa de Eric Clapton, e sucessivamente gravada entre 7 de julho e 19 de agosto.

Os músicos da gravação

  • George Harrison: canta, toca o violão, a guitarra, o sintetizador Moog;
  • Paul McCartney: faz o coro e toca o baixo;
  • Ringo Star: bateria;
  • John Lennon: não comparece nessa música, pois estava se recuperando de um acidente de carro.
    Foram utilizados também instrumentos de orquestra: 4 violas, 4 cellos, um contrabaixo, dois píccolos (flautim), duas flautas, duas flautas alto e duas clarinetas.

Antes de mais nada, sugiro duas ou três audições repetidas da música!! A primeira vez para curtir seu som, ver o lado estético da canção. Em seguida, sugiro uma segunda audição mais analítica para percebermos a forma da música, e uma terceira para observarmos os instrumentos e suas tarefas dentro da canção.

Após termos feito uma audição analítica da música, quero fazer uma pergunta: qual é a fórmula de compasso utilizada na música? 4/4? Percebeu alguma fórmula de compasso diferente? Mais de uma? Nenhuma? Vamos ouvir novamente?

A estrutura musical de “Here comes the sun”.

Preparei um vídeo em que fazemos uma análise harmônica e formal da música. Vamos assistir para, em seguida, nos aprofundarmos nesse estudo.

Uma análise harmônica e estrutural das seções da música

Here comes the sun, que está na tonalidade de Lá maior, é basicamente composta por duas partes: estrofe e refrão. Começa com uma introdução baseada na estrofe e realizada de forma instrumental nos primeiros 8 compassos e, a seguir, cantada ao longo de 5 compassos. A introdução termina com a que parece-me ser “a marca registrada” da música: uma sequência instrumental de dois compassos com um desenho rítmico muito interessante: uma frase com um acento a cada 3 notas que cria uma sensação de “ilusão polirrítmica”. Vejamos a estrutura da introdução:

Após a introdução, a canção começa “pra valer” sobre as palavras “Little darling” (0:30m) apresentando a estrofe, que será repetida duas vezes. A harmonia da desta seção apresenta, basicamente, os acordes I, IV, V e uma dominante secundária (B7, V7/V) que não resolve. São 16 compassos mais um compasso que liga as partes.

A melodia é baseada na escala pentatônica de lá maior, utilizando apenas as notas lá-si-dó#-mi-fá#. Vejamos a estrutura da estrofe, até a conclusão da “casa 1”, observando sua harmonia, suas células melódicas e, no final, a frase instrumental que chamei de “marca registrada da música”:

Após a repetição da estrofe, a música prossegue de maneira interessante (inusitada?), diferente. Vejamos:

Trata-se de uma ponte que prepara a chegada do refrão, baseada na estrutura deste último.

Temos aqui duas coisas muito legais para observar: uma sequência harmônica diferente (bIII – bVII – IV – I), ou seja, uma sequência de acordes que procede por quartas descendentes até o I grau – e que ainda se estende para mais uma quarta descendente até o V grau. A segunda coisa que observamos é uma mudança na fórmula de compasso (e que mudança!!): 3/8; 5/8; 4/4; 2/4. Muito interessante, não é? E como isso soa bem!!!

A imagem a seguir mostra a estrutura do refrão: começa com poucos compassos repetidos por um total de 4 vezes – tipo isso: “Gostou dessa coisa diferente? Quer ouvir de novo? Vamos lá, quatro vezes!!”.

Após as quatro repetições, a quinta vez leva para a área da dominante E7 (observe que podemos ler o acorde Bm7/E como um E7sus4,9), que prepara a volta à estrofe. Após a reapresentação desta última vem o Coda, composto por elementos apresentados ao longo da música e agora dispostos de maneira um pouco diferente. O Coda termina com mais uma sequência de acordes ligados por quartas descendentes (bIII – bVII – IV – I).

A análise de Here comes the sun nos leva a observar detalhes compositivos muito interessantes. A “receita” usada por George Harrison para compor essa música de sucesso contempla poucos elementos, afinal, mas muito bem elaborados: uma melodia simples; uma métrica irregular; uma harmonia “diferente” no refrão, que utiliza dois acordes emprestados pela tonalidade homônima menor e ligados numa sequência de quartas descendentes. Tudo, como se diz, “bem bolado”. Parece-me que podemos aproveitar para perceber um “segredinho”: a genialidade pode estar na simplicidade.

Não deixe de dar uma olhada no Curso Online de Harmonia Aplicada à Música Popular, onde fazemos muitas análises musicais, harmonizações, re-harmonizações etc.

Turi Collura é pianista, compositor, músico profissional. Atua como professor em Cursos de Pós-Graduação, em Conservatórios e Festivais de música pelo Brasil e no exterior.Formado na Itália em Disciplinas da Música (Bolonha) e na Escola de Jazz (Milão), é Mestre pela UFES, e Pós-graduado pela mesma Instituição.Turi é Coordenador Pedagógico do Terra da Música e Professor de alguns cursos online. É autor de métodos em livros e DVD (Improvisação, Piano Bossa Nova, Rítmica e Levadas Brasileiras para Piano), alguns dos quais publicados pela Editora Irmãos Vitale e com tradução em inglês.Ativo na cena musical como solista, músico de estúdio e arranjador, tem participado da gravação/produção de diversos discos. Em 2012, seu CD autoral “Interferências” ganhou uma versão japonesa. Seu segundo CD faz uma releitura moderna de algumas composições do sambista Noel Rosa.

Deixe uma resposta