O círculo das quintas

Nesse post vamos conhecer algumas características do Círculo das Quintas, uma ferramenta interessante para aprendermos a calcular/memorizar as alterações das tonalidades

Evidenciando algumas coisas que acabamos de ver no vídeo:

O círculo das quintas se chama assim porque as tonalidades se sucedem por quintas, vejamos: a partir da tonalidade de C (que é o ponto inicial), do lado direito colocamos as tonalidades com os sustenidos.

Observamos que a nota G está uma quinta acima de C. A nota D está uma quinta acima de G, etc. Temos assim a sequência de quintas ascendentes C-G-D-A-E-B-F#-C#.

Do lado esquerdo colocamos as tonalidades com os bemóis. Observamos que a sequência é composta por quintas descendentes: C-F-Bb-Eb-Ab-Db-Gb-Cb.

Também as alterações das tonalidades se sucedem em sequências de quintas.

Observamos a sequência com que se apresentam as alterações nas tonalidades com os sustenidos:

Tonalidade de G: F#
Tonalidade de D: F# – C#
Tonalidade de A: F# – C# – G#
Tonalidade de E: F# – C# – G# – D#
Tonalidade de B: F# – C# – G# – D# – A#
Tonalidade de F#: F# – C# – G# – D# – A# – E#
Tonalidade de C#: F# – C# – G# – D# – A# – E# – B#

Reparamos que, ao procedermos de uma tonalidade para a sucessiva, acrescentamos uma alteração à(s) anterior(es). Notamos que as alterações também estão em relação de quintas ascendentes.

É útil memorizar a sequência com a qual se apresentam os sustenidos:

É interessante saber que, nas tonalidades com os sustenidos, a última alteração representa o sétimo grau da escala.

Por exemplo, na tonalidade de Ré maior, a nota C# (última alteração na sequência das alterações) é o sétimo grau da escala.

Mais um exemplo: na tonalidade de Mi maior, a nota D# é o sétimo grau da escala.

Observamos a sequência com que se apresentam as alterações nas tonalidades com os bemóis:

Tonalidade de F: Bb
Tonalidade de Bb: Bb – Eb
Tonalidade de Eb: Bb – Eb – Ab
Tonalidade de Ab: Bb – Eb – Ab – Db
Tonalidade de Db: Bb – Eb – Ab – Db – Gb
Tonalidade de Gb: Bb – Eb – Ab – Db – Gb – Cb
Tonalidade de Cb: Bb – Eb – Ab – Db – Gb – Cb – Fb

Reparamos que, ao procedermos de uma tonalidade para a sucessiva, acrescentamos uma alteração à(s) anterior(es).

Notamos que as alterações também estão em relação de quintas descendentes.

É útil memorizar a sequência em que se apresentam os bemóis:

É interessante saber que, nas tonalidades com os bemóis, vale uma “regrinha”, a partir de duas alterações: a tonalidade resulta ser a indicada pela penúltima alteração.

Observe, por exemplo, a tonalidade de Lá bemol: suas alterações são: Bb – Eb – <>Ab – Db.

Agora observe a figura a seguir:

A sequência com a qual se apresentam as alterações dos sustenidos: fá-dó-sol-ré-lá-mi-si é o inverso da sequência com a qual se apresentam as alterações dos bemóis: si-mi-lá-ré-sol-dó-fá.

Uma curiosidade para concluir

O círculo foi “inventado” por um estudioso alemão, Johann David Heinischen, o qual apresentou a idéia em um escrito de 1711 (Musikalisher Círcul) e aprofundou o assunto em um escrito de 1728.

Naquela época acabava de se estabelecer a afinação temperada, proposta por outro estudioso alemão, André Werkmeister, em 1691.

A proposta de Heinischen era a de representar, geometricamente, a relação de quintas que, através do novo sistema de afinação, compõem a oitava temperada, formada por doze semitons de igual distância entre eles.

Pianista, compositor, atua como professor e palestrante em instituições, festivais de música pelo Brasil e cursos de pós-graduação. Turi é Coordenador Pedagógico do Terra da Música e professor de alguns cursos online. É autor de métodos em livros e DVD. Em 2012, seu CD autoral “Interferências” foi publicado no Japão. Seu segundo CD faz uma releitura moderna de algumas composições do sambista Noel Rosa.

Deixe uma resposta