Tríades: suas estruturas e cifras

Tríades: suas estruturas e cifras

As tríades podem ser consideradas como a menor unidade harmônica “completa”. Quantas são as tríades? Qual é a melhor forma de cifrá-las? O que é “densidade harmônica”? Veja nesse post a teoria e alguns exercícios práticos.

Resumindo alguns conceitos:

O acorde é composto por um grupo de notas que soam simultaneamente. É uma unidade sonora, formada de, no mínimo 3 sons (certamente, podemos ter harmonias compostas por 2 notas, mas elas constituem uma versão incompleta de acordes de três ou mais notas). Essa unidade sonora constitui uma unidade harmônica que, em sua relação com outros acordes, gera uma sequência harmônica.

A densidade harmônica de um acorde está diretamente relacionada ao número de notas que o constituem:

As tríades

Criadas pela sobreposição de dois intervalos de terças, as tríades podem ser consideradas como a menor unidade harmônica “completa”. A figura abaixo indica as quatro tríades principais e suas possíveis indicações através das cifras (em destaque, as cifras utilizadas nesse curso):

As cifras

A cifra é o símbolo com o qual indicamos o acorde, e inicia com uma letra do alfabeto, que designa a fundamental do acorde:

À letra do alfabeto acrescentamos alguns símbolos para indicar a sua espécie (por exemplo: “m” minúsculo se a tríade for menor, “m(b5)” se a tríade for diminuta, etc.).

Se a fundamental do acorde for uma nota alterada (por exemplo ré bemol ou fá sustenido), o seu símbolo será indicado na cifra (respectivamente Db e F#).

Intervalos que compõem as tríades:

Outras tríades

Em algumas ocasiões é possível encontrar as seguintes cifras, referentes às tríades:

Enquanto no acorde sus não está presente o terceiro grau do acorde, o símbolo add indica a adição de uma nota específica ao acorde.

Turi Collura é pianista, compositor, músico profissional. Atua como professor em Cursos de Pós-Graduação, em Conservatórios e Festivais de música pelo Brasil e no exterior.Formado na Itália em Disciplinas da Música (Bolonha) e na Escola de Jazz (Milão), é Mestre pela UFES, e Pós-graduado pela mesma Instituição.Turi é Coordenador Pedagógico do Terra da Música e Professor de alguns cursos online. É autor de métodos em livros e DVD (Improvisação, Piano Bossa Nova, Rítmica e Levadas Brasileiras para Piano), alguns dos quais publicados pela Editora Irmãos Vitale e com tradução em inglês.Ativo na cena musical como solista, músico de estúdio e arranjador, tem participado da gravação/produção de diversos discos. Em 2012, seu CD autoral “Interferências” ganhou uma versão japonesa. Seu segundo CD faz uma releitura moderna de algumas composições do sambista Noel Rosa.

Deixe uma resposta