O “caso Wave”: a Bossa Nova e a influência do Blues

O “caso Wave”: a Bossa Nova e a influência do Blues

“Vou te contar”: como o Blues influenciou uma das composições mais famosas de Tom Jobim e da Bossa Nova. Confira esse interessante artigo de Turi Collura.

Surgido no Sul dos EUA por volta da metade do século XIX, o Blues passou a influenciar a música ocidental logo a partir do início do século XX. As suas blue notes, por exemplo, são um elemento bastante presente em gêneros musicais como, por exemplo, o Jazz, o Rock, o Pop. Mas muito pouco se fala da influência do Blues na Bossa Nova. No entanto, alguns estudos recentes apontam, de forma definitiva, a presença de elementos blues no mais sofisticado dos gêneros musicais “populares” que o Brasil produziu.

Blue notes e escalas blues

É fácil enxergar uma primeira influência do Blues na afinação de certas melodias da Bossa Nova. Sabe aquela indefinição na afinação do terceiro grau das melodias, ou aquela “blue note” aqui e ali? Na música Wave, objeto de nossa análise, observamos, por exemplo, a melodia carregada de Blues da frase “é impossível ser feliz sozinho”:

Wave - Tom Jobim

Essa frase se baseia na escala de D menor blues (a qual ganha facilmente um 6º grau, a nota si dentre parênteses na imagem a seguir):

Wave - Tom Jobim e a influência do jazz

Mas, além da “intenção blues” – que, na verdade, vai além do uso de escalas blues e “blue notes” – na música Wave houve, também, um processo de releitura da harmonia blues na sua estrutura típica de 12 compassos. Para uma boa compreensão do que irei apresentar, é útil que você tenha lido a minha publicação anterior chamada “A evolução da estrutura do Blues”.

O “caso Wave” e a re-leitura criativa do Blues

Tom Jobim utiliza-se da estrutura do Blues de 12 compassos para compor a estrofe (parte A) da música Wave (no exemplo a seguir na tonalidade de D maior):

Wave - partitura

Algumas considerações sobre Wave

Em sua produção musical, Tom Jobim explorou todos os recursos disponíveis da tonalidade estendida, criando composições harmonicamente muito ricas. A música que estamos analisando é um caso em que temos uma alternância maior/menor.

Antes da primeira estrofe, a música começa com um Vamp em ré menor, composto pelos acordes Dm7-G7, que correspondem aos graus Im7-IV7. Trata-se de um clichê que pertence à área da tônica menor (para quem quiser aprofundar aconselho o maravilhoso Curso Online de Harmonia Aplicada à Música Popular).

O termo Vamp que usei acima indica um padrão rítmico, geralmente composto por um ou dois acordes que são repetidos com a finalidade de estabelecer um groove, de “entrar no ritmo”.

  • A melodia inicial (“Vou te contar”) abre a estrofe que estamos analisando. Aqui o tom passa a ser Ré maior.
  • Observamos a estrutura de 12 compassos dessa estrofe, característica do Blues.
  • No segundo compasso, o acorde Bbº (bVIº) é uma releitura do acorde Bb7 (SubV7/V).
  • Segue um segundo cadencial: Am7 – D7 que leva para o tradicional IV grau que se encontra no quinto compasso da estrutura blues típica.
  • O acorde Gm7 é um AEM (acorde de empréstimo modal da tonalidade homônima relativa).
  • Já observamos a melodia que acompanha o texto “É impossível ser feliz sozinho”, que cai nos acordes Bb7 – A7, tipicamente uma frase com intenção blues.
  • Após isso, a composição volta para a área tonal de ré menor, apresentando novamente o Vamp composto pelos acordes Dm7 – G7.
  • A forma da música Wave é AABA, portanto Jobim usa a estrutura harmônica que estamos analisando em 75% da composição.

É claro que se trata de uma releitura subjetiva da harmonia do Blues, por parte de Jobim. Fica a dúvida, se a dele foi uma escolha consciente ou não. Mas é assim que funciona a mente de um artista-gênio: pega e elabora, de forma pessoal, os elementos que, de alguma maneira, chamam a sua atenção.

Na edição da revista Jazz Times de março de 2007, Toots Thielemans lembra que Lee Konitz parece ter afirmado, uma vez: “Toots, nós já tocamos Wave há quarenta anos. São dois refrões de Blues soltando um bebop”. O “bebop” ao qual se refere Konitz consistiria na parte B da música, caracterizada por duas cadências II-V-I. Quem sabe, por isso os norteamericanos acolheram de braços abertos as obras do compositor carioca – o qual, diga-se de passagem, transcorreu os anos mais produtivos de sua carreira musical nos EUA.

Coda

Ronaldo Bôscoli cantava sobre “A influência do Jazz” no Samba, preocupado com o fato que o Samba estivesse perdendo a sua autenticidade por sofrer miscigenações com aquele “outro” gênero. Mas a música nunca pôde ser “engarrafada”, presa a limites geográficos. A música se mistura, se renova a toda hora, isso está na sua natureza.

Como escreve Pollyana Niehues em seu artigo Indeterminável Tom Jobim: “Tom é jazz, é samba, é música clássica francesa, é valsa, é choro, é bolero, é samba-canção, é bossa nova, mas nem sempre”.

Viva Tom Jobim, carioca, do mundo, brasileiro!

Turi Collura é pianista, compositor, músico profissional. Atua como professor em Cursos de Pós-Graduação, em Conservatórios e Festivais de música pelo Brasil e no exterior.Formado na Itália em Disciplinas da Música (Bolonha) e na Escola de Jazz (Milão), é Mestre pela UFES, e Pós-graduado pela mesma Instituição.Turi é Coordenador Pedagógico do Terra da Música e Professor de alguns cursos online. É autor de métodos em livros e DVD (Improvisação, Piano Bossa Nova, Rítmica e Levadas Brasileiras para Piano), alguns dos quais publicados pela Editora Irmãos Vitale e com tradução em inglês.Ativo na cena musical como solista, músico de estúdio e arranjador, tem participado da gravação/produção de diversos discos. Em 2012, seu CD autoral “Interferências” ganhou uma versão japonesa. Seu segundo CD faz uma releitura moderna de algumas composições do sambista Noel Rosa.

Deixe uma resposta